Cães e Filhotes logo

Acessar minha conta

 

Fotos

 

Papillon - Foto 1

Clique para ampliar

Papillon - Foto 2

Clique para ampliar

Papillon - Foto 3

Clique para ampliar

Papillon - Foto 4

Clique para ampliar

Papillon - Foto 5

Clique para ampliar

Papillon - Foto 6

Clique para ampliar


Papillon


Origens da Raça Papillon


A história do Papillon é bastante nebulosa, especialmente devido à sua antiguidade. A teoria mais aceita é de que a raça tenha nascido da fusão do já extinto Spaniel Anão da Bélgica com algum cão de raízes orientais. Sinais dessas raízes são a ossatura leve, tamanho diminuto e rabo curvado. Sua primeira representação conhecida é do início do século 14, em afrescos de uma igreja de Assisi, na Itália, pintados por Giotto. Freqüentou por cerca de duzentos anos as cortes européias, sempre de orelhas caídas. Lá tornou-se muito estimado e um dos seus símbolos, tanto que foi quase dizimado no século 18 pela Revolução Francesa. As orelhas eretas surgiram no final do século 19, perpetuadas por criadores belgas. O nome oficial da raça pela Federação Cinológica Internacional (FCI) é Spaniel Anão Continental. O Papillon é considerado a variedade de orelhas eretas. Há outra variedade de orelhas caídas chamada Phalene (em francês, mariposa). Já nos EUA, Papillon designa as duas variedades.


A raça ganhou novo impulso na França, Bélgica e Inglaterra a partir da Primeira Guerra. É considerada oficialmente como franco-belga.


Até a década de 40, o cruzamento entre Phalenes poderia gerar um Papillon e vice-versa, mas atualmente o acasalamento entre as variedades não é recomendado, pois pode produzir cães com orelhas semi-eretas, que será um defeito grave para a raça.


Ainda em sua origem, tanto os Papillons quanto os Phalenes eram inteiramente de uma cor, como a preta, a vermelha e a amarela-escura. Hoje, essas cores fazem par com o branco, que deve predominar no corpo do cão. Alguns criadores dão preferência aos exemplares que têm o branco em forma de listra, do focinho à cabeça, sugerindo o corpo da borboleta.


Personalidade da Raça Papillon


O Papillon foi desenvolvido, essencialmente, para ser um cão de companhia. Por isso, alia um tamanho diminuto, fácil de carregar a um temperamento meigo e tranqüilo com jeito garboso.


Extremamente inteligente - perdendo apenas para o Poodle entre os cães de pequeno porte - o Papillon está em 8º lugar na classificação do pesquisador Stanley Coren, em seu livro ‘A Inteligência dos Cães’. Devotados aos seus donos, como deve ser um bom cão de companhia, o Papillon não faz o tipo teimoso ou temperamental.


O Papillon possui certa reserva com estranhos e só aceita um carinho destes após perceber que são bem-vindos pelo dono. Chegam mesmo a mantê-los "sob vigilância", não permitindo que toquem nos objetos da casa. No entanto, após o primeiro contato, normalmente o Papillon torna-se muito sociável, mas sem ser pegajoso ou inconveniente.


Com outros cães e animais, o Papillon pode conviver praticamente sem restrições. Mas deve-se tomar cuidado com o convívio dele com cães de raças grandes, já que por ser muito pequeno, o Papillon pode se machucar com os movimentos bruscos dos grandões.


Este pequeno cão também se sai bem em agility, esporte em que passa por obstáculos sob comando do dono. Herdou não só agilidade dos Spaniels, como o instinto caçador. Além de excelente faro, mais uma herança dos Spaniels, possui um ouvido aguçado que o torna um bom cão de alarme.


Com crianças, todo cuidado é pouco, uma vez que sendo um cão muito delicado e frágil, pode se machucar facilmente em uma brincadeira mais estabanada.


Filhotes da Raça Papillon


O filhote é frágil a quedas e trancos. Há criadores que receiam vendê-lo a famílias com crianças de até seis anos, já que estas nem sempre sabem medir a força das brincadeiras. Comum às raças pequenas, a garganta do filhote é bem estreita. Portanto, vale a advertência em relação a ossos de couro. Como o material fica macio e fino ao ser mastigado, há chances de engasgamento.


Os filhotes, quando nascem, possuem uma espécie de penugem que persiste até a quarta ou quinta semana de vida. Com dois meses, a pelagem já cresceu razoavelmente.


As orelhas costumam levantar entre os dois e seis meses. O ideal é que, puxadas para frente, não ultrapassem o ponto de encontro entre nariz e testa, caso contrário terão maior dificuldade em levantar.

 


Criadores de cães Papillon

Raio D'Aurora

Sao Paulo - SP


(11)9628-1066

 

 

 


CANIL GEANT DE CHLOE

Uberaba - MG


(34)3333-4384

 

(34)9965-3763

 

(34)9195-2124